AMASE

ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DE SERGIPE

Acesso Rápido
TJSE

Portal
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

TJSE Intranet

Intranet
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

TJSE Webmail

Webmail
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

Portal
DIÁRIO DA JUSTIÇA

TRE-SE Intranet

Intranet
Tribunal Regional Eleitoral

CNJ decide que magistrados podem receber premiações em espécie em concursos
ARACAJU/SE - 03 de Outubro de 2018

receber premiação.jpg

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concluiu, por 12 votos a dois, não haver ilegalidade no recebimento de premiações em dinheiro de instituições de ensino superior na realização de trabalhos acadêmicos desenvolvidos a partir de editais públicos, nos quais não são identificados os autores e os avaliadores (denominado sistema do “double blind review”). A decisão ocorreu durante a 36ª sessão do Plenário Virtual, encerrada na última sexta-feira, 28 de setembro.
 
A Consulta 0008909-65.2017.2.00.0000, de relatoria do conselheiro Valtércio de Oliveira, foi formulada por um juiz do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (TRT17), no Espírito Santo, com o objetivo de obter pronunciamento do Conselho acerca da legalidade da situação.
 
Em março, a AMB apresentou manifestação pelo conhecimento da consulta e pela observância das normas existentes, em especial a Resolução CNJ 170/2013. Acrescentou que o Plenário teve oportunidade de flexibilizar a norma por ocasião do julgamento da Consulta 0004346-67.2013.2.00.0000, quando três parágrafos foram acrescidos à Resolução 170 para admitir o recebimento de prêmios pelos magistrados em razão da elaboração de trabalhos acadêmicos. “A diretriz central, portanto, para o recebimento de prêmios em concursos passou a ser o não comprometimento da independência do juiz e a necessidade de controle sobre o ato de premiação”, apontou a AMB, em trecho do documento.
 
Apuração
Para o relator, a Resolução CNJ 170/2013 e o art. 95, parágrafo único, inc. IV da Constituição Federal não permitem que juiz receba premiação pecuniária, ainda que o critério da avaliação tenha sido o sistema do “double blind review”. A divergência foi inaugurada pelo conselheiro Aloysio Corrêa da Veiga sob o argumento de que “não há óbice para que magistrado, desde que preservada a imparcialidade e a independência funcional, perceba premiação de qualquer natureza conferida por instituição de ensino (pública ou privada, ainda que com fins lucrativos) em razão de atividade acadêmica desempenhada”.
 
O entendimento divergente foi seguido pela maioria dos conselheiros: Maria Tereza Uille, Maria Iracema do Vale, Daldice Santana, Márcio Schiefler, Fernando Mattos, Luciano Frota, Arnaldo Hossepian, Valdetário Monteiro, Henrique Ávila, pelo corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, e pelo presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli. Apenas o conselheiro André Godinho acompanhou o voto do relator.
 
Confira a decisão do Plenário Virtual e a íntegra do voto divergente.
Confira a peça apresentada pela AMB.