AMASE

ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DE SERGIPE

Acesso Rápido
TJSE

Portal
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

TJSE Intranet

Intranet
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

TJSE Webmail

Webmail
TRIBUNAL DE JUSTIÇA

PODER JUDICIÁRIO

Portal
DIÁRIO DA JUSTIÇA

TRE-SE Intranet

Intranet
Tribunal Regional Eleitoral

AMB ajuíza ADIN contra artigo do Código de Processo Penal
ARACAJU/SE - 08 de Junho de 2018

Gervasio_Baptista_SCO_STF.jpg

A AMB propôs ao Supremo Tribunal Federal (STF) a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), com pedido de medida cautelar, em face do inciso VIII, do art. 144, do Código de Processo Civil (CPC) – Lei nº 13.105/2015. A Associação alerta para a inconstitucionalidade da hipótese de impedimento ao exercício das funções do juiz, criada pelo dispositivo. O requerimento foi protocolado nessa quarta-feira (6). A ADI 5953 foi distribuída ao ministro Edson Fachin.
 
A entidade fundamenta que é inconstitucional impor uma conduta aos magistrados impossível de ser observada, afetando, assim, diretamente o exercício da jurisdição, pois pode, inclusive, levar à configuração de uma infração disciplinar. “Não há, portanto, como aceitar a validade de uma norma que estabelece uma vedação à participação do juiz em determinados processos – e exige que ele declare o seu impedimento para atuar no processo, sob pena de responder pela infração –, sem que ele saiba que esteja praticando a conduta e, por isso, colocando-se na situação de submissão a um processo disciplinar. Se o juiz não tem condições de, isoladamente, pelo exame dos autos, constatar a situação de impedimento, a regra que determina esse impedimento é nula e não pode subsistir. Daí a manifesta inconstitucionalidade da norma contida no inciso VIII, do art. 144, do CPC/15, na sua integralidade”, declara, em trecho da ação.
 
Dessa forma, a AMB entende que a vedação peca por uma falta de razoabilidade ou de proporcionalidade, porque exige do juiz uma conduta impossível de ser observada. Ou seja, se houver ocorrência, o magistrado o praticou sem culpa ou dolo. “O juiz ao examinar o processo não terá como saber que uma das partes do processo é cliente do advogado que vem a ser seu ‘cônjuge, companheiro ou parente consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o 3º grau inclusive’, porque não haverá nenhuma informação no processo quanto a esse fato objetivo. Ora, o pressuposto da prática de uma conduta vedada é a realização consciente de uma conduta reprovável”, complementa a argumentação.
 
A solicitação da entidade para suspender de forma imediata a eficácia da hipótese de impedimento prevista no dispositivo pretende tanto a defesa de direitos corporativos, como do regular funcionamento do Poder Judiciário.
 
Confira aqui a peça apresentada pela AMB.
*Carolina Lobo